A Associação Indígena do Grupo Wpyra – Swpyra Xukuru – Kariri da Mata da Cafurna do município de Palmeira dos Índios, em Alagoas, promove o webnário “Saberes e Fazeres da Medicina Indígena e Quilombola: cura através da alimentação na pandemia” na próxima quinta-feira (25), às 15h, pelos canais no youtube da Pró-reitoria de Graduação da Universidade Federal de Alagoas (Prograd/Ufal) e do projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária no Combate o Covid-19.

A meizinheira e representante da Associação Indígena, Koran Xukuru-Kariri, que também fará parte do webnário, recebe convidados especiais para debater sobre a importância da alimentação indígena e quilombola e a cura através de ervas medicinais e sua realidade hoje com a pandemia. Koran é mestra dos saberes populares sobre cura e manutenção da saúde por meio do uso de plantas medicinais, cânticos, danças e arte. É fundadora do Projeto Magia da Terra e do Sopão da Koran, que oferece sopão 3 vezes por semana para idosos e crianças para ajudar na prevenção e ativar a imunidade do organismo contra doenças.

Através do projeto são realizados também encontros com parteiras bendezeiras, meizinheiras e equipes de saúde no fortalecimento da mulher, compartilhando ensinamentos e incentivando a comunidade a ocupar o seu lugar na sociedade que tanto oprime e esquece o povo indígena e quilombola.

A convidada Tonha do Espírito Santos é bisneta da Mestra Firmina Mercê de Jesus, que alimentou e educou a comunidade do Quilombo Lunga, em Taquarana/AL, traz consigo o legado da família que é organizar a Festa do Meado de Agosto que acontece há mais de 170 anos. Mestre Tonha fortalece a gastronomia de cultura afro brasileira, levando aos visitantes e descendentes os saberes e fazeres da cultura alimentar do Quilombo Lunga, lugar reconhecido como Comunidade Remanescente de Quilombo pela Fundação Cultural Palmares.

Já Theresa Siqueira, é formada em nutrição pela Universidade Federal de Alagoas e professora do Centro Universitário Tiradentes (Unit/AL). Participa da Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde (Aneps) e é mestra em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A mediação fica por conta de Keka Rabelo, produtora e assessora cultural de movimentos sociais.

A ação vem contrapartida a Lei Aldir Blanc com os editais: Prêmio Mestres e Mestras da Cultura Alagoana 2020 – Edital Dalva Castro, da Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult), e Prêmio Jacinto Silva, disposto no inciso II do Art. 2º da Lei nº 14.017/2020 do município de Palmeira dos Índios. A Lei Aldir Blanc é uma renda emergencial de apoio ao segmento artístico e cultural que foi diretamente impactado com a pandemia do coronavírus (covid-19). Com isso, em contrapartida com a sociedade alagoana, o projeto promove um momento de debate e reafirmação social.

Release produzido por Pei Shung Fon, voluntária do projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária no Combate a Covid-19 da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), coordenado pela professora do curso de relações públicas, Manuela Callou, e a produtora e assessora cultural, Keka Rabelo.