Para mais um debate sobre a cultura indígena em Alagoas, a Associação Indígena do Grupo Wpyra – Swpyra Xukuru – Kariri da Mata da Cafurna, do município de Palmeira dos Índios, em Alagoas, por meio da mestra Koram Xukuru – Kariri, promove mais um webnário no youtube com convidados especiais para falar sobre a participação de indígenas alagoanos em editais de emergenciais com o tema: “A Cultura Indígena na Lei Aldir Blanc em Alagoas”.

A transmissão é gratuita com direito a certificado de participação e acontece na quinta-feira (1), às 15h, pelos pelos canais no youtube da Pró-reitoria de Graduação da Universidade Federal de Alagoas (Prograd/Ufal) e do projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária no Combate o Covid-19, que estão apoiando esta ação.

A ação utiliza do espaço digital como contrapartida aos editais contemplados por Koram Xukuru-Kariri na Lei Aldir Blanc: Prêmio Mestres e Mestras da Cultura Alagoana 2020 – Edital Dalva Castro, da Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult), e Prêmio Jacinto Silva, disposto no inciso II do Art. 2º da Lei nº 14.017/2020 do município de Palmeira dos Índios. Koram é mestra dos saberes populares sobre cura e manutenção da saúde por meio do uso de plantas medicinais, cânticos, danças, arte e fundadora do Projeto Magia da Terra e do Sopão e Suco Verde da Koram.

Fazem parte da mesa Almir Tagûató, representando a aldeia Wassu Cocal do município de Joaquim Gomes/AL, é artesão e instrutor de capoeira; Cássio Júnio, indígena da aldeia Fazenda Canto/Xukuru-Kariri, é licenciado em história pela UNEAL, mestre em Antropologia Social (PPGAS/ICS/UFAL) e Secretário Municipal de Cultura de Palmeira dos Índios/AL; Ricardo Campos, representando a aldeia indígena Tingüi Botó do município de Feira Grande e Campo Grande/Al, é estudante de direito (IESC) e história (UNEAL), mestre artesão e membro da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME); e Tanawy Kariri, da etnia Xukuru-Kariri da Mata da Cafurna de Palmeira dos Índios – AL, é coordenador da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME) pelos estados de Alagoas e Sergipe.

A mediação fica por conta de Keka Rabelo, formada em relações públicas pela Universidade Federal de Alagoas, militante, produtora cultural e assessora de movimentos sociais.

SERVIÇO
O que: webnário “A Cultura Indígena na Lei Aldir Blanc em Alagoas”
Onde: Canal no Youtube da PROGRAD Ufal e Bureau Comunitário
Quando: 1º de abril, às 15h

Release produzido por Pei Shung Fon, estudante de relações públicas e voluntária no projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária On-line no Combate à Covid-19 da UFAL, coordenado pela professora Manuela Callou e adjunta Keka Rabelo.

Para mais um debate sobre a cultura indígena em Alagoas, a Associação Indígena do Grupo Wpyra – Swpyra Xukuru – Kariri da Mata da Cafurna, do município de Palmeira dos Índios, em Alagoas, por meio da mestra Koram Xukuru – Kariri, promove mais um webnário no youtube com convidados especiais para falar sobre a participação de indígenas alagoanos em editais de emergenciais com o tema: “A Cultura Indígena na Lei Aldir Blanc em Alagoas”.

A transmissão é gratuita com direito a certificado de participação e acontece na quinta-feira (1), às 15h, pelos pelos canais no youtube da Pró-reitoria de Graduação da Universidade Federal de Alagoas (Prograd/Ufal) e do projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária no Combate o Covid-19, que estão apoiando esta ação.

A ação utiliza do espaço digital como contrapartida aos editais contemplados por Koram Xukuru-Kariri na Lei Aldir Blanc: Prêmio Mestres e Mestras da Cultura Alagoana 2020 – Edital Dalva Castro, da Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult), e Prêmio Jacinto Silva, disposto no inciso II do Art. 2º da Lei nº 14.017/2020 do município de Palmeira dos Índios. Koram é mestra dos saberes populares sobre cura e manutenção da saúde por meio do uso de plantas medicinais, cânticos, danças, arte e fundadora do Projeto Magia da Terra e do Sopão e Suco Verde da Koram.

Fazem parte da mesa Almir Tagûató, representando a aldeia Wassu Cocal do município de Joaquim Gomes/AL, é artesão e instrutor de capoeira; Cássio Júnio, indígena da aldeia Fazenda Canto/Xukuru-Kariri, é licenciado em história pela UNEAL, mestre em Antropologia Social (PPGAS/ICS/UFAL) e Secretário Municipal de Cultura de Palmeira dos Índios/AL; Ricardo Campos, representando a aldeia indígena Tingüi Botó do município de Feira Grande e Campo Grande/Al, é estudante de direito (IESC) e história (UNEAL), mestre artesão e membro da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME); e Tanawy Kariri, da etnia Xukuru-Kariri da Mata da Cafurna de Palmeira dos Índios – AL, é coordenador da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME) pelos estados de Alagoas e Sergipe.

A mediação fica por conta de Keka Rabelo, formada em relações públicas pela Universidade Federal de Alagoas, militante, produtora cultural e assessora de movimentos sociais.

SERVIÇO
O que: webnário “A Cultura Indígena na Lei Aldir Blanc em Alagoas”
Onde: Canal no Youtube da PROGRAD Ufal e Bureau Comunitário
Quando: 1º de abril, às 15h

Release produzido por Pei Shung Fon, estudante de relações públicas e voluntária no projeto de extensão Bureau de Comunicação Comunitária On-line no Combate à Covid-19 da UFAL, coordenado pela professora Manuela Callou e adjunta Keka Rabelo.